Quando a cultura discute problemas sociais

Uma sociedade formada por elfos, orcs, humanos e seres místicos, porém dividida pelo preconceito e a guerra. Esse é o cenário do filme original da Netflix Bright e do livro Guerra das raças de Daniel Jahchan.

No filme, Joel Edgerton interpreta um orc policial, Nick Jakoby, que por conta de sua raça sofre preconceito dentro do batalhão em que trabalha, onde os policiais são todos humanos, incluindo seu parceiro Daryl (Will Smith), que não confia em Nick ou em seu trabalho como policial. O orc também sofre nas mãos de integrantes de seu próprio povo, que reprovam o fato dele ser policial.

O mundo fantástico apresentado em Guerra das raças comporta elfos, anões, orcs, daemons, etc. O ódio entra essas raças é evidente, são mais de seis séculos de uma guerra em que ninguém mais consegue lembrar do motivo que iniciou tudo, mas o conflito entre os povos continua. Se um elfo se atrever a pisar em terras que pertencem aos anões, ou vice versa, as coisas não terminarão bem.

Retratando uma guerra explícita como no livro de Jahchan, ou silenciosa e se alimentando do racismo e muitas vezes violência policial como em Bright, todas as etnias apresentadas coexistem em um mundo dominado pelo ódio e que carece de empatia. Ambas as obras discutem como o preconceito é ignorante e afeta fortemente a vida das pessoas.

Enquanto Bright fisga seu espectador com cenas de ação e uma trama frenética, Daniel Jahchan busca escrever uma história de fantasia, cheia de aventura, mistério, e que ao mesmo tempo passe a mensagem de que para evoluir é preciso se esquecer das diferenças e incentivar a aceitação. Além disso, voltado para o público infanto juvenil, Guerra das Raças tem como um de seus objetivos principais fazer com que os jovens leitores reflitam sobre o preconceito e que cheguem à conclusão que todos são iguais, e que a sociedade sempre caminha melhor unida.

rodrigocosta Autor

Casado, blog, fã de cinema, música, ouvinte da radio cidade desde criancinha. Cheio de idéias na cabeça que um dia vão sai do papel. louco e apaixonado.